DESIGN com responsabilidade

Hoje vi uma coisa que mexeu muito comigo. Dia 25 de março fui assaltada e fiquei ainda mais desacreditada do conserto das coisas, aí me deparo com um projeto especial hoje:

Uma marca de roupa (me formei em moda e gosto quando o design é feito com a cabeça e com o coração – roupa não é um produto de vaidade, falso glamour e tendências agressivas apenas, a roupa também é uma maneira de contar histórias, narrar conceitos e tocar no lado emocional de cada um). Graças a Deus existem belos pensadores que fazem isso.

Estive no Minas Trend essa semana e hoje conheci a “Doisélles” – uma marca que começou com o desejo da estilista de dar pontos e nós:

“Gosto disso de pontos e nós. Formas que surgem do desenho de um fio em um par de agulhas, bem ali na minha mão. O tricô é a minha composição no mundo, é o meu mundo, por onde transito meus pensamentos e ideias. Tudo que vejo, sinto, escuto e leio vira tricô.” [fala da estilista da marca]

A falta de mão de obra que pudesse colaborar na construção das peças de sua marca e, consequentemente, alavancar o seu negócio, gerou na estilista uma grande ideia: treinar presidiários para confeccionar o tricô.

Hoje eles não apenas confeccionam, eles criam, pensam, desenvolvem – de fato, aprenderam um ofício. Vi na feira hoje 2 presidiários do projeto e conversamos com um deles e ele disse “crime para mim nunca mais”, “eu crio pensando em uma dessas mulheres bonitas da televisão, como ainda não posso vê-las ao vivo porque estou na prisão, imagino em cada peça uma delas – eu quero criar é para essas mulheres bonitas” – ouvi outras coisas interessantes dele, Sandro se não me engano era o seu nome.

Mas o mais bonito foi olhar pra ele e não ver crime, ver luz, ver felicidade pelo reconhecimento do trabalho dele, ver esperança no olhar de um mundo diferente no além da prisão. “crime nunca mais”

Projeto que ensina a CRIAR e não a REPETIR. Projeto que ensina aos presos que eles são pessoas e portanto podem pensar e que, apesar de serem homens e aparentemente brutos, carregam a leveza e delicadeza na mão, tramando deliciosos e hiper sofisticados tricôs.

Me encantei! O site da marca: Doisélles

Anna Luiza Magalhães

 

desconversa

 

DSC_0274 edit

Uma vez, um velho amigo, desses que a gente diz bem sábio, contou-me um conto sobre os loucos. Disse a mim como eles se encontram, como se reconhecem em meio a uma multidão de normalidades. Encontrar um par de loucos pode ser uma tarefa árdua, difícil. Mas, ainda mais mortalizante, é desencontrar.

Canto dourado à cidade das maravilhas

DSC_0035 edit

Amada cidade, dos morros de histórias e corações perdidos. Tuas casinhas de janelas e portas de brincar – de rosas, azuis, verdes, laranjas e amarelos. Tuas inúmeras torres, que salteiam nessa paisagem escadeada, mostram tua fé. Tento me convencer de que não há como amar-te mais, mas então, vejo-me perdida nos teus montes, nas tuas casinhas e igrejas, naquele sol dourado de inverninho bom e meu coração palpita.

Cabelos embaraçados por tanto vento junto com aqueles sorrisos ansiosos contam como o teu dia sempre brilha, contam como é fácil perder-se de paixão nas pedrinhas, em suas ladeiras infindas. Sempre foi tanta essa alegria que a gente até desembestava, ria como criança sem acreditar que podia ser tão bom.

Aconchego é esse de braços amigos e ensolarados, num cenário tão bem desejado, donde o entusiasmo é uma folha de ouro que acoberta nossas talhas barrocas do riso e também donde olhinhos brilham e rolam de cada causo bobo contado na função da felicidade: um lugar em que tudo quanto é detalhe é peça principal para o caminho de quem passa.

Teu esplendor inquieta meus olhos, que ficam em constante busca, na curiosidade eterna, por cada adorno que envolve tua aura. Tuas cores, teu artesanato participam do cenário, florido, colorido: dourados, azuis, vermelhos, verdes… Tua serra que aconchega: cada pedaço teu é meu, no limiar entre minha lógica e paixão.

Tuas suaves e tenras flores desbotam-se e envolutam, envolvendo em seu mundo encantado das artes da terra. Alumiam-nas pretas e brancas, minhas luzes dos dias da vida, vivendo mais um Ouro Preto amado.

Ah! Essa terra das maravilhas faz cintilar, palpitar, alumiar, acreditar… O amor está tão perto!

Tua imagem é refletida por onde meu pé caminha, levas sempre contigo meu olho. Em meio tanto do que é belo, me perco em deslumbres. É porque dentro de ti guardas um segredo ainda mais bonito, e passarei a vida inteira a tentar desvenda-lo se for preciso.

Ah! Ah! Pois és, és tão dourada, que já me confundo na cor de dentro e de fora. Tão leve e feita com tanto esmero, tens a sensibilidade da veia que corre em ti, das histórias que ficaram no passado, da dor, dos desejos, dos sonhos que começaram a se construir há pedras e luzes de distância… Guardas em teu baú do quinto cada almejo de quem te encontra.

Perco-me todos os minutos a fundir meu corpo no teu lugar. Camuflo-me, dourada e cor de antiga, e me sinto parte de ti. As coisas que existiram outrora, que me fazem perder no tempo e sonhar com memórias que aconchegam.

Debruço-me a tua janela, cantando o canto, bordando o ponto, a dar conta do encanto que tua forma colonial emoldura a mim. Já me encontro entre tanta textura, luz e nostalgia.

A todo instante umas dessas mil portas me convidam, como quem me diz “vem ficar”. Na simplicidade de tuas formas, tuas madeiras de séculos, tuas camadas sem fim de mãos de tinta, não sei escolher qual quero entrar, sei que quero: um muito tanto que me inquieta. Tantas únicas, tantas amadas, tantas maçanetas que contam mãos lindas de corações sonhadores que passaram por ali.

Rosada, floreada, perdida no meio da rua de amor. Na porta do quem sabe o que: e, afinal, qual destas há de nascer aquele alferes encantado em sua juventude, cheio de querer?

Não é preciso ir muito longe para encontrar o amor.

E no caminho, em meus tropeços, caio e descubro mais flores a sorrir para mim. E ó! O sol se indo, lindo, findo, dourado e eternizado. Seduzidos estamos e não queremos nunca mais desapaixonar.

Se abrir bem os olhos, o amor está mesmo em toda parte.

E pra sempre te desejo: quero andar no teu corpo feito passarinho, sorrateira e leve e cantar em tuas esquinas. Que este canto seja tão suave que o primeiro vento que passar me assopre e leve de volta para o ar, para te ver novamente por completo.

Bordo-me em ti, para teres a certeza de que minha passagem não será uma mera casualidade, fico em estampa para saberes que não saio em memória jamais.

DSC_0317 edit

 

Fotos e texto: Anna Luiza Magalhães – Ouro Preto – MG. Setembro de 2012.

é com esse que eu vou…

“É com esse que eu vou sambar até cair no chão
É com esse que eu vou desabafar na multidão
Se ninguém se animar eu vou quebrar meu tamborim
Mas se a turma gostar vai ser pra mim…”

nova coleção

 

Aquelas meias gostosinhas, lindas, coloridas, criativas estão sambando pra me deixar com vontade. Estão sapateando e dizendo como a vida é boa… bota um vinil daquela voz boa e antiga que ficou pra gente só em som e sacoleja mostrando sua beleza.

Para querer leveza nada melhor que monte de mini asinhas juntas, estampadas no azul, azul da cor do mar, do ar, do lar, do imaginar… vontade de rimar, …

Tenho saudade de doce ou “do” doce, porque ele é específico. Aquele cupcake aquareladinho, escorregando açúcar no pigmento cor de rosa, azul turquesa, amarelinho… com sabor de chá e de amor. Delícia!

Não contém glúten tem gosto de chocolate, de samba, de brincadeira, de risada, de caixinhos, de cereja, de alegria, de flor, de vontade, de desejo, de coisa boa, de antiguinho, de moderninho, de cafezinho, de amor….

Coisa mais querida! Eu adoro a criatividade dessas meninas! =)

boas impressões, com açúcar, com afeto!

aplicações e texturas encantando um imaginário

DSC05947 edit

E então, aos poucos o blog vai retomando as suas atividades. Gosto de acompanhar sempre as marcas mineiras: lógico que muito por um “amor a minha terra de Minas”, mas também porque sei o potencial da moda daqui. Com esses onze meses fora, do lado de lá do oceano, fiquei um bocado desatualizada sobre o que acontecia por aqui, um pouco até de propósito, para me deixar mergulhar no universo novo que me consumia. (De tempos em tempos vou postando o que meu olho viu e encantou pelos além mares).

Semana passada, dia 14 de agosto, tive no lançamento da marca Alphorria, das duas linhas da marca: Alphorria e A.Cult. A primeira vista as peças da marca são sempre muito suntuosas, chamativas e bem trabalhadas. As minhas primeiras impressões foram: texturas, muitas texturas e um contraste entre peso e leveza. E é isso mesmo, meu olho correu fotografando algumas formas e cores para ilustrar essa minha impressão. Quem já conhece meu blog a mais tempo sabe que não descrevo aqui a parte de tendências, sobre o que se vai ou não usar na tal estação. Para isto existem mil blogs mais especializados nessa área. Venho aqui dividir as “miudezas” preciosas que encontro na moda que, para mim sim, são essas que fazem o universo da moda ser cada vez mais interessante.

DSC05955 edit

A Alphorria Cult trabalhou sua pesquisa em cima de um contraste entre o moderno tecnológico e o orgânico: buscou as geometrias do nosso espaço contemporâneo e a fluidez e cores das flores.

A organicidade das plantas permitem-nos um respirar melhor para o mundo, a leveza das formas me carregam para um outro espaço que já nem sei escrever, fica quase que só em pensamento. Como se fosse um verde enorme, rodeado de minúsculas mil corezinhas, com um vento a bater lá do outro lado do horizonte, me carregando para memórias de um dia de descanso, bem vivido. Dá vontade de correr pra sentir melhor tudo que essa natureza oferece. Flores, aí de mim sem elas.

DSC06015 editPor outro lado as estampas super geométricas nos trazem de volta para o nosso mundo real, que não é nem pior ou melhor, é onde conquistamos tudo, onde encontramos nossas ambições e inspirações para viver o dia-a-dia. Volto para o meu momento elétrico onde estou ligada o tempo todo nas pessoas, nos trabalhos, no mundo. E essa parte da vida é boa, é a tecnologia que não deixa nossos corações sentirem a mesma saudade de antes, que nos conecta a todo canto e a toda vontade nossa.

Acho uma delícia ir lendo a coleção assim, a moda pra mim tem que contar história, senão, perde toda a sua graça. DSC05957 edit

 

Suavizando o caminho, os degrades vêm aparecendo assim como um sol que nasce ou deixa o dia ao entardecer. Em tons alaranjados, jeans foram tingidos passeando pelas diversas tonalidades daquela cor. Que gostinho de alegria, cores nos nossos dias.

 

 

Deixo vocês imaginando um pouco também do resto que tinha por lá…

DSC05946 editDSC05960 edit

DSC06021 edit

Quando penso na Grécia antiga me vem a cabeça grandes deuses, colunas, branco, muito branco, algumas volutas que, apesar de orgânicas, são bem geometrizadas, e por aí vai. A coleção Alphorria mergulhou no imaginário do mundo grego, buscando novas interpretações daquelas formas. Trabalhou muito essa representação das formas em bordados, transparências e pesos com tule e couro.

O bordado branco sobre o branco é lindo, suave, delicado, aparece pela sombra leve e reflexo da luz em cima do tecido e, ao mesmo tempo, enriquecem os olhos, transformando a peça num tesouro, que as vezes a gente até acredita que carrega toda a história do lugar que eles contam. Vira um livro de lindos causos. Gostoso até de vestir.

Paetês, rendas, guipir, lindas telinhas que sobrepõem tecidos, preenchendo as peças com diversas possibilidades do mesmo material, aparecem o tempo todo aos nossos olhos.

DSC05970 edit

DSC05971 edit

 

 

DSC05990DSC06006 edit

 

 

 

 

 

Só um comentário técnico: gostei desse paetê branco da foto acima desse texto (das 4 fotos acima é a da esquerda debaixo): é uma aplicação de foil dourado sobre o paetê, se não me engano. Uma ideia simples de produzir e que enriquece a peça demais, sobreposição de texturas.

Embaixo, uns lindos queridos acessórios que achei por lá:

DSC05962 editDSC05956 edit

Deixo vocês com curiosidade para ver o resto! Têm muito mais aplicações, bordados e estampas na coleção. Além de tudo, deixei apenas “retalhos” das peças aqui, porque detalhes são bons de serem vistos ampliados. As peças por inteiro deixo pro olho de cada um degustar, elas foram trabalhadas em cima de lindos recortes e modelagens, ainda dentro da dicotomia do minimal geométrico e das formas fluídas orgânicas. Bem lindos!

DSC05950 edit

 

Fica aqui um gostinho do que vi para vocês. Boas Impressões!

 

DSC06008 edit

Todas as fotografias deste post são de autoria da criadora do blog.

London and my eyes shining **

 

IMG_3695

London, London

Caetano Veloso

I’m wandering round and round, nowhere to go
I’m lonely in London, London is lovely so
I cross the streets without fear
Everybody keeps the way clear
I know I know no one here to say hello
I know they keep the way clear
I am lonely in London without fear
I’m wandering round and round, nowhere to go

While my eyes go looking for flying saucers in the sky
While my eyes go looking for flying saucers in the sky
Oh Sunday, Monday, Autumn pass by me
And people hurry on so peacefully
A group approaches a policeman
He seems so pleased to please them
It’s good at least, to live and I agree
He seems so pleased, at least
And it’s so good to live in peace
And Sunday, Monday, years, and I agree

DSC03692 edit

While my eyes go looking for flying saucers in the sky
While my eyes go looking for flying saucers in the sky
I choose no face to look at, choose no way
I just happen to be here, and it’s ok

Green grass, blue eyes, grey sky
God bless silent pain and happiness
I came around to say yes, and I say

While my eyes go looking for flying saucers in the sky

DSC04964 edit

outonando

desenho_anna

ilustração feita pelo meu querido amigo Mateus Lima (Diadorim). Obrigada querido!

Destonando-se as cores. Meus verdes foram deixando os marrons tomarem espaço no meu caminhar, e eu que não sabia ainda o que era outono. O frio congela mais amores e pensamentos que meu inverno de costume, camadas de calor não são suficientes para que não passe desapercebido, o que me faz continuar é tanto amor que ainda me aquece. Esse tanto que vem de dentro de mim, de saudade, de presença, de sobra, amor que vai e não quer deixar de vim, as cores vão deixando os sépias tomarem espaço, enquanto cinzas, marrons, alaranjados pulam aos meus olhos em um cenário quase sem cor, de um céu que chora frio em minha cabeça num quase desabafo eterno. Meu corpo chora junto carregando no ombro todo o seu dizer, o frio rodeia. Encolho os ombros, abaixo a cabeça, junto o corpo todo num gesto forte de encontrar calor, que tensionam todos os músculos. Depois daquele duro caminhar, eis que me levanto, num repente de suspiro, ergo a cabeça para aliviar as entranhas e dou um respirar que enfumaça no ar. E assim, como quando estou diante de uma lareira que acalenta com fogo, me vejo a olhar para aquela arvorezinha laranja, sozinha, única em sua beleza ainda colorida, reluzindo naquele dia sem cor. E então, permito-me um sorriso encantado.

…primeiro pé em português.

Colorido de verão, já mais fresco que o calor da Catalúnia, Portugal veio me abraçando, me enchendo de carinho como um bom anfitrião que diz “cê é de casa”. Passei meu último dia em Barcelona sozinha, quase que não abri a boca pra soprar uma palavra e, quando falei, era um esboço de português com espanhol que, apesar de sair um pouco tímido e avacalhado, me aliviava por pelo menos falar. Gostava de poder falar “desayunar”, na hora de tomar café da manhã, mas que palavra linda e gostosa de ouvir. Nesse meu dia de estar sozinha ali estive atarantada, desnorteada, saudosa, preparando-me para a nova fase da minha vida que estava por vir: a mudança para Portugal. No caminho para o Porto, onde desci de avião para pegar o ônibus (que agora sei que aqui se fala autocarro) só pensava: que ideia foi essa de sair do meu país e ir para um lugar onde não sei e não conheço ninguém. Enfim, um ano e dois meses no Brasil ansiosa por esse momento e quando ele finalmente chega, me senti no lugar errado.

Mas já não havia mais o que fazer, já estava ali, sozinha, à caminho. O medo misturado com curiosidade me acobertava. Uma recepção maluca, foi a que eu tive: peguei o metro (que aqui dizem metro – como aquele que a gente tira medida – e não metrô) e desci na estação do centro do Porto, onde sabia que devia pegar o autocarro para Bragança. Sem mapa, só com endereços anotados, uma mala de 26 kilos (com uma das rodinhas e a alça principal quebradas pela TAP no transporte) e uma outra malinha de mão, fui e cheguei na avenida Santa Catarina no Porto. Cheio, bem movimentado, pensei: vai ser fácil, já já chego em casa. Perguntei pela “Rodonorte”, cia. de ônibus, (no meu sotaque bem brasileiro) para uma senhora portuguesa: “Rua do norte” (bem naquele trejeito lusitano) não sei não, não conheço essa rua, depois um senhor me disse: “Ah! podes subir a rua aqui, andas um bocadinho e já está”, eu, desconfiada, perguntei de novo, me apontaram o lado oposto desse primeiro senhor. E agora, para onde ir? Arrumei um mapa, o problema é que não se via o nome da rua que eu procurava no mapa que eu tinha. Fui rolando com aquela mala pesada e, literalmente, sem alça pelo chão do centro do Porto, todo lindo, mas nada prático para a minha situação: ruas de pedra, que não facilitavam em nada o transporte daquele objeto sem jeito e pesado.

No meio dessa baderna de chegada, ainda consegui saltar de alegria quando me deparei com uma pequena igreja dali daquele centro. Meu olho, já viciado em barrocos e/ou azulejos, e já preparado para encontrar isto em portugal, bateu de frente com a igreja de Santa Catarina e brilhou. Dali, percebi que minha mente ainda ia beber muito das texturas do mundo. Desfoquei por um instante da minha missão de chegada, parei ali e o que fiz foi isso: admirar.

DSC01927

Fiquei até mais feliz, pensei em tantos amigos que teriam deslumbrado ali, junto comigo. Naquele momento dividi apenas comigo a experiência de ver aquela beleza.

Mas a jornada continuava, Bragança ainda não tinha chegado e era lá, somente lá, que eu tinha onde ficar, gentes desconhecidas que me esperavam e uma cama quentinha pra me abraçar. Subi e desci ruas erradas e cheias de pedras, essas ruas antigas que até me levavam a memória em Ouro Preto (só isso que me fazia achar lindo as pedrinhas na rua naquele momento). Subi para um lado: nada, desci para o outro: nada, estava perdida e desencontrada no meio do Porto, com portugueses debochando do meu arrastar sem jeito e cansado da mala, sem entender o meu vai e vem sem lógica naquelas ruelinhas. Ninguém para me salvar. Estava cansada, tudo que eu queria era pegar o bendito ônibus, chegar em casa e uma internet para dar e receber notícias.

Fui caminhante e, como boa brasileira que sou, sem desistir. Um senhor se aproximou e perguntou se precisava de ajuda, falei onde precisava de ir e ele tentou me explicar. Sem conseguir direito ele me disse que o carro dele estava estacionado umas ruas acima, mas que talvez nem seria uma boa ideia ele me dar carona (em portugal: boleia) porque as ruelas ali eram fechadas para carro e ele não sabia como chegar lá. Eu, bem mineira que sou: desconfiada, fiquei foi morrendo de medo daquele senhor maluco querer se aproveitar da minha falta de agilidade e do meu desconhecimento de local. Agradeci e fui descendo a rua sentido contrário que ia antes, seguindo a orientação dele (ainda bem desconfiada).

Depois de andar uns dois ou três quarteirões resolvi perguntar mais uma vez para ter certeza de que estava no caminho certo (afinal andar carregando peso qualquer centímetro a menos faz diferença). Nesse momento o senhor que abordei me disse que faltava pouco, eu tinha que andar mais uma quadra, virar a direita e depois a direita de novo, já está. Sigo em frente, em obediência, quando aquele senhor que me havia me oferecido “boleia” antes ressurge, de repente, na minha frente: “onde tás a ir? tens que entrar nessa rua atrás de ti”, eu discordei: “mas o senhor que acabo de perguntar me falou pra seguir em frente e virar na próxima” e ele me disse de volta: “ora lá, queres saber mais da minha cidade que eu?” e gritou comigo de tal maneira que nem tive muita opção de não fazer o caminho dele. Quando olhei a ruela que ele me mandou entrar, assustei: parecia um beco de tão estreita a rua, toda esburacada, de pedra e ainda era uma descida. Fiquei apavorada duas vezes: como vou descer carregando duas malas de rodinha sozinha nessa rua? e o motivo do segundo desespero: isso é um beco (no Brasil ficaria logo desconfiada se alguém que não conheço – e que estava me seguindo – visse que eu estava perdida e me mandasse entrar numa espécie de bequinho). Eu, no meio do meu medo e da minha desconfiança, vi um casal de velhinhos e perguntei de novo. A senhora, toda bem gentil falou: “tens que entrar nessa rua aqui” e apontou para o tal do beco.

Nesse mesmo instante olho para o outro lado da rua e observo que o senhor estranho (que me ofereceu boleia, me seguiu e gritou comigo) continuava a me observar de longe e, com isso, me apavorei e tive a certeza de que ele estava me seguindo. Falei com esse casal de velhinhos do meu susto com esse senhor estranho e a senhora, toda meio com preocupação de vó, me disse gentilmente: “vá, vá menina, vamos ficar aqui a te olhar”. Desci, me sentindo um pouco mais segura (não sei porque, afinal eram dois velhinhos queridos indefesos que me “protegiam”).

No bequinho a minha mala caía, rolava pelas pedras e buracos, trombava na minha perna, joelhos, torcia com a força da gravidade puxando ela pra baixo e meu braço não aguentava segurar: um desastre. A cena era hilária, só não pude rir porque na hora a minha raiva me fazia querer gritar, ou chorar. Sentia raiva dos portugueses (mal sabia que ainda podia me apaixonar por esse povo, esse lugar). Eis que uma alma boa me surge: um rapaz desce o beco e, preocupado com a minha situação, se oferece para carregar a minha mala maior gentilmente até o final da descida. Pequenos anjos enviados: aquela senhorinha fofa me vigiando e esse jovem rapaz, que carregou meu problema até o final da descida.

Enfim, destino alcançado: Rodonorte, nunca foi tão difícil encontrar uma rodoviária.

Me embarquei na estrada da nova rota de minha vida, onde comecei uma nova mudança, navegada por aprendizados advindos da minha constante curiosidade e do prazer de conviver com esse povo cheio de boas peripécias e causos.

impressões que ficam na alma.

Realmente os dias andam corridos por aqui e os meus posts ficaram de lado por um tempo, espero conseguir dedicar mais tempo para escrever, porque já vi muita coisa bonita por esses lados de cá do oceano e sei que ainda vou ver muito mais.

Passeante pelo mundo, descobri nos detalhes o espelho do povo, da alegria e da cultura dos espaços em que estive. No cuidado da comida, na energia transportada entre as pessoas, nas construções, igrejas… há, no ar que se respira, partículas de luz que invadem nossos olhos e, assim, nosso pensamento, contagiando-o com a experiência estética que nos permitimos sentir.

Estar em um novo lugar é mais do que entender conceitualmente as características daquele estilo arquitetônico, ou perceber dentro da história porque existiu qualquer coisa ou, apenas, visitar museus e lugares turísticos com o objetivo de devastar tudo o que a cidade te possibilita fisicamente. Me permito perceber pormenores, observar a rua, o movimento, o ar, sentir de corpo inteiro, com todos os sentidos que meu corpo possa receber a energia do lugar. Meu olho, nariz, boca, são tão importantes como a mão, pé, barriga, joelho, nessa função da receptividade. Cada dia que se passa e que conheço mais lugares e pessoas de outros países que não o meu, percebo que é necessário me permitir a isso: me entregar ao povo, ao abraço cultural e ver a amplitude sensorial que podemos alcançar com essa mistura.

Barcelona foi a minha primeira experiência no velho continente e, agora, passados sete meses da minha vida por aqui, percebo que ali começou uma nova fase da minha perceptividade cultural, a começar pela língua, pela preocupação com os choques comportamentais e pela admiração com um espaço diferente do qual estava acostumada. Meu Brasil, minha terra, nunca me deixou não notar sua beleza, seus cheiros, seus espaços, mas ali eu me encontrava facilmente, seja nas ladeiras douradas de Ouro Preto, seja na beira mar de Alagoas, com a água bem azul-esverdeada trazendo conchas pra mim. A Europa, eu já sabia, seriam novos aprendizados.

Em uma conversa bem boa uma vez com um professor meu bem querido, ele me disse o seguinte: que não gosta de viajar correndo, que gosta de ficar vários dias em um mesmo lugar, mesmo que conheça menos cidades do que gostaria. O corpo dele pede uma informação do lugar a mais, acredita que conhecemos mesmo uma cidade quando temos tempo para vê-la: aquele momento em que você anda na rua e cruza com um rosto familiar ou consegue perceber a rotina cansativa do mercador que acorda cedo para abrir sua quitanda. Eu percebi o que ele disse, e isso nunca mais saiu de dentro de mim.

Assim tenho me encantado com o mundo e todo dia me vejo mais esfomeada por isso: por preencher a caixinha de conhecimento, de informações novas, de cores, pessoas, formas, sons, cheiros, luz. E, que assim seja!

_____________________________________________________________________________________

Barcelona, terra das cores, sabores, organicidades e luz. Eu logo logo me encantei, sem dali esperar qualquer coisa que não fosse felicidade, e pronto, encontrei-a. Alegria por atravessar a avenida diagonal e ver texturas de todos os tipos, ruídos de carros que se misturavam com o balanço das árvores em tantas praças no meio das ruas, e pensei: mas como pode haver tanta preocupação com o espaço social? Encontrei-me no paraíso: onde as pessoas saem de casa pra jogar ping-pong na pracinha, ou sentam no banco para tomar sorvete. (Ah, sim! Isto é o verão, porque um pouco depois descobri que o inverno por aqui muda muito a rotina dos europeus).

Ao dizer isso parece que no Brasil não tem dessas coisas, claro que tem! Mas o que eu achei diferente é que é muito (muito!) preenchido desses espaços, tem muitas praças, rotundas, aconchegos pela cidade. Não é uma “cidade metrópole” com cara de virtual, andei e me perdi apaixonada pelas ruas cheias de cantinhos para admirar e relaxar. Andei bem.

No Brasil, nas grandes cidades, o povo trabalha demais, descansa de menos, e mal tem uma praça (ou tempo) para se parar no intervalo do almoço pra ler um livro. (Até porque no intervalo do almoço o brasileiro vai ao banco pagar conta, ao supermercado comprar algo que tá faltando em casa, resolver qualquer pendência do dia-a-dia). É claro que isso não é geral, mas no nosso país não sabemos trabalhar e relaxar ao mesmo tempo, ou um, ou outro.

Agora sim, eu vou carregar essa filosofia para minha vida: relaxar é viver.

DSC00075 editDas cores e sabores, a bela paella conquistou-me. Me puseram diante de todo o encantar da Sagrada Família e, como se alguém susurrasse ao pé do meu ouvido, disseram-me em meu imaginário: degusta do amor, do prazer de sentir dentro e fora esse novo lugar. Para complementar: azulejos, ou pedaços dele, ornamentaram meu momento, não podia e nem tinha precisão de melhorar. Tudo bem feito pra mim. E descendo forte, escorregando em pedaços por mim, aquela cor amarela, em um contraste de refrescância e calor do álcool, um belo chupito espanhol, que alumiou o paladar e fechou na sua completude esse instante.

Foto: Paella e chupito em frente à Sagrada Família. Barcelona – setembro de 2011.

Digo que fui feliz porque não havia mais como não provar cousas, cada impressão doce, salgada, amarga, azeda, qualquer uma, participava de mim como em uma leitura de um quadro. A experiência transportou-se do olhar, de fato, e percorreu todo meu ser. Como em sofoto (13)nho lembro os dias que o pan catalan aqueceram meu desamparo, uma saudade que eu já sentia e que me fez lembrar um dia bom, subindo e descendo as ladeiras e escadas do Parc Montjuic.

[estou aqui em um lugar desconhecido pela solidão…foram tardes de liberdade, de amar, de alegrias, de puro prazer e gozo… só conheci aqui assim, contigo amor meu. e agora estou aqui a escutar a sua linda voz cantando ao meu coração, ao pé do meu ouvido, mas sem ali te ver, estou aqui, a trocar lágrimas pelo teu som… escuto minha música feita por ti com teu amor, teu carinho, que me mata ainda mais de saudade. cada soprar, cada respirar na flauta, atravessa e ampara-me, acolhe e me enlouquece de pensamentos lindos e ternos. Perco minha razão diante do teu som ouvido em uma tarde diferente de liberdade, tarde tão livre que queria que fosse menos, queria estar eu presa em teus braços, quentes, acalentadores de minha alma e beijar-te loucamente de tanto sentimento que agora explode em mim. ahh, como te quero, hoje, amanhã, sempre!] [barcelona, 15 de setembro de 2011. parc montjuic]

Estive em dias de muito verão por Barcelona, um calor que derrete, amolece, amolece tanto que parece que até é possível amar mais… tão quente que quando via água DSC00376 editela reluzia como um tesouro que tava escondido quando é encontrado.

Confesso que deliciei-me ao encontrar as Fontes Mágicas de Montjuic em um dia a noite: som, luz e a água dançando pra mim, tipo um oasis no deserto da refrescância. E a água tava tão pulante, que havia momentos que ela vinha abraçar quem a assistia.

Neste momento do dia o que a gente queria era apenas sentar e admirar: a água vem como um presente. É tão encantadora com sua cor e luz, cheia de energia vinda da fonte, que refresca, ilumina e contamina de boas vibrações, quase que reestabelecendo o corpo novamente para uma nova jornada, depois de um dia caminhante e cansativo.

DSC00352 edit

Foto: Fontes Mágicas de Montjuic. Parc Montjuic. Barcelona – setembro de 2011.

Me embalei na emoção, não tinha me posto cem por cento à prova ainda, agora precisava de vento, de ver, de voar. Lá no alto meu olho batia curioso, sua organicidade e imposição me assustavam e seduziam. Eis que fui, num teleférico em fio, pus meus medos a meu favor: meu coração batia e um frio percorria minha barriga, pensei que flutuava… era como estar em um balão.

Cada passadinha perto da rocha eu encolhia e abaixava como se fosse bater, mas só o que batia mesmo era aquele medo/vontade de chegar lá. Mont Serrat, que muito lindo! A natureza e a fé numa mesma instância, ali, num alcance inalcançável, precisei voar pra chegar lá. O olho brilhou, encantou, nas ruínas montanhosas, nas construções, na igreja, na luz que atravessa as cores de seu vitral, no Deus transformado em cor pela união da arte e do sol.

DSCN0259 edit

DSCN0280 edit

 

 

 

 

 

 

 

DSC00545 edit

DSCN0329 edit

DSC00592 edit

E, assim, a minha janela da alma iniciou sua nova empreitada: a de preencher sua palheta com ainda mais pigmentos e de, aos poucos, ir retirando a cortina que estava cerrando a minha mente, alimentando a minha fome do mundo, de gente, de saber. Agora não para mais, é um caminho sem volta, é um amor que não acaba, um infinito de qualquer coisa que eu queira criar, ver, conhecer.

Barcelona, reparando detalhes…

Depois de alguns bons tempos fora do ar, volto novamente com o Tudo Impressão a ativa, agora direto de terras lusitanas. =)

Já desci com o pé direito ao velho continente, primeiro destino: Barcelona – Espanha. Uma bela cidade para começar com boas impressões européias e ainda mais encantadora para aqueles que admiram e/ou estudam/trabalham com arte, arquitetura, música, teatro e afins… a cada esquina um detalhe, um ornamento, alguma forma inspiradora.

Barcelona é também uma terra em que o verão é de verdade: um sol tão intenso que o calor fica até o anoitecer… Parece uma cidade perfeita para viver: a bicicleta é um dos meios de transportes públicos bem incentivados: “Bici” como chamam, são as bicicletas que se encontram em vários pontos da cidade disponíveis para aluguel, basta ter um cartão e pronto: você pega uma bicicleta e deixa no ponto próximo ao seu destino! Perfeito! E o custo é uma pechincha de 30 euros por ano! É realmente uma pena que seja só para moradores.

DSC00086 edit

Foto: Barcelona – setembro de 2011.

Preferi dividir em algumas partes o post sobre Barcelona para poder colocar o máximo de fotos possíveis e não ficar tão pesado, portanto, quando acabarem de ler este aqui procurem o próximo acima ou esperem até eu postar no dia seguinte.

O arquiteto que iluminou Barcelona: Antoni Gaudí (1852-1926) foi um arquiteto com diferencial: projetou formas orgânicas e, aparentemente, impossíveis de serem modeladas para um edifício, em prédios, praças, parques, tetos, bancos, móveis, em inúmeros detalhes da cidade de Barcelona. É uma grande referência para os estudos de geometria: aproveitou-se de desenhos geométricos e os rearranjou de maneira que surgissem novas formas, inusitadas e que fossem orgânicas aos olhos. Gaudí fez reviver meus tempos como aluna e monitora de representação geométrica no curso de Design: onde aprendi que retas podem formar curvas aos nossos olhos e, ao mesmo tempo, continuarem completamente esticadas, intactas.

Observem na imagem como isso pode acontecer:

DSC00837 edit

As retas quando redirecionadas (nesse caso torcidas) formam curvas (veja acima), entretanto não é, momento algum, alterada a sua condição de reta.

DSC00827 editDSC00829 editDSC00833 edit

DSC00831 editDSC00846 edit

As formas geométricas foram retiradas das orgânicas e o contrário também se aplica.

DSC00847 edit

Fotos: imagens do museu de geometria do Gaudí dentro da Sagrada Família. Barcelona – setembro de 2011.

O Parque Güell, um dos espaços em que Gaudí deixou seus traços, é colorido por formas inspiradas em folhas, frutas, flores e por padronagens e azulejarias feitas pelo arquiteto, chamadas de colagens ou mosaicos.

DSC00261 edit

O parque é lindo e, além de ser todo ornamentado por Gaudí, é um espaço que recebe o tempo todo manifestações artísticas de todos os tipos: músicos, fazedores de bolhas, artesãos, pintores, dançarinos; estão sempre a passar por lá, semeando sua arte.

DSC00147 edit 

Foto: O grupo acima é um grupo mexicano “Buenas Costumbres” que assistimos no Parque Güell, sensacional, eram divertidos, dançavam e a música muito boa. Barcelona – setembro de 2011.

DSC00267 edit

Foto: fazedor de bolha muito contente no Parque Güell, alegria e cores! Pra quê mais? Barcelona – setembro de 2011.

Não somente o parque, como também a cidade inteira, o clima é de alegria e de romance… é um bom lugar para estar bem acompanhada, eu diria. Uma cidade onde as cores bordam nossos corações com lindas padronagens. Grandes e volumosas construções que acalentam os braços, te aconchegam bem junto ao teu bem, ao fundo musical que te colocam… um bom lugar para ali bem ficar. Um bom lugar para ser mais feliz que o de costume.

DSC00120 edit

Foto: Em catalão “Viaducte dels Enamorats”, lindo. Parque Güell. Barcelona – setembro de 2011.

DSC00234 edit

DSC00237 edit

Fotos: Parque Güell. Barcelona – setembro de 2011.

Das cores e padrões que vi, o que sei é que me perdi diante de tantas belezas. Perfeições de colagens que não sabia para onde olhar mais, nem me cabia na memória espaço tanto que permitia a minha lembrança guardar cada mínimo e perfeito detalhe. Tamanha beleza. Gaudí sabia o que dizia.

DSC00175 edit

DSC00177 edit

Azulejos, azulejinhos, cor, corezinhas, colagens, brincadeiras, mosaicos, quebra-cabeças…:

DSC00159 edit  DSC00165 edit

DSC00192 edit DSC00209 edit

DSC00276 edit DSC00279 edit DSC00282 edit

DSC00284 edit

Ainda outros detalhes traziam com muita a força a natureza para o objeto construído: observa-se claramente o diálogo de cada entalhe e modelagem esculpidas pelo artista.

DSC00188 edit

DSC00293 edit

Essa casinha (acima), junto com uma outra que tem ao lado dela no parque, mais me parecia uma casinha de chocolate com glacê ornamentado por cima… me deu foi vontade de comer. Parecia uma dessas estórias, tipo a de João e Maria…

E a vista do parque? Era simplesmente essa daí da próxima foto:

DSC00215 edit

Dá para ver a cidade inteira do parque! Fica no alto da cidade, lindo demais!

E nas redondezas a beleza continua:

DSC00244 edit

DSC00249 edit

Essas são algumas das vistas do entorno do parque, tudo bem cuidado e bonito.

Barcelona é um lugar imperdível, farei mais posts com os outros lugares que visitei. O Parque Güell é um dos espaços obrigatórios: não paga para entrar, é ótimo para fazer um pic-nic, tem sempre muita música feita por artistas itinerantes, belas vistas, muitas cores e cantinhos aconchegantes.

Espero que apreciem.

Boas Impressões!